Covid-19: Liga Portuguesa Prevê Cortes Salariais

mmira
26/03/2020
Icone Cinzento Comentario
0

A pandemia do Coronavirus está a causar o caos em todos os sectores económicos em todo o mundo. As finanças do futebol não escaparam ao mal-estar geral, e os clubes de topo de Portugal estão prontos a tomar medidas para reduzir os salários dos futebolistas logo em Abril.

Joaquim Evangelista é o presidente do sindicato dos futebolistas profissionais portugueses. Ao mesmo tempo que defende os direitos dos seus membros, é realista no que diz respeito ao que é provável que aconteça no futuro imediato. “Se cortar nos salários salva o futebol português, estamos abertos a isso”, disse, numa entrevista publicada na edição de hoje do Diário de Notícias.

Vários clubes de toda a Europa já anunciaram que os seus jogadores receberão salários reduzidos, e Portugal está decidido a seguir o exemplo. Os clubes estão em discussões mútuas sobre como proceder, e aguardam uma decisão governamental sobre os contratos de trabalho. Um pacote de apoio a nível nacional deverá ser anunciado iminentemente, uma vez que as empresas em toda a Europa chegaram a um súbito impasse.

Evangelista diz estar a acompanhar de perto o que está a acontecer noutros países e revelou que foi criado um amplo grupo de trabalho em Portugal para definir uma estratégia nacional para enfrentar o problema de como manter os clubes de futebol a funcionar, envolvendo a Federação Portuguesa de Futebol, a Liga, o sindicato de jogadores, treinadores e árbitros.

Mas o chefe do sindicato advertiu que os clubes não podem aproveitar a situação para deixarem de pagar unilateralmente aos seus jogadores. O Desportivo das Aves estava em grandes dificuldades financeiras mesmo antes da paragem, com os seus jogadores a ameaçar greve depois de não receberem qualquer pagamento em 2020.

“A justificação que o Desportivo das Aves deu, dizendo que os salários não poderiam ser pagos por causa do Covid-19 é um ato criminoso”, disse o Evangelista. “Não é aceitável”. É simplesmente aproveitar-se da situação de emergência para seu próprio benefício”. O clube pode e deve cumprir com as suas obrigações”.

No entanto, o Evangelista está consciente de que os sacrifícios terão de ser feitos pelos membros da união que representa, tal como em todos os outros sectores da sociedade. “O sindicato criou um escritório de crise com os nossos advogados para que possamos analisar as circunstâncias o melhor possível. Se a redução dos salários salva o futebol português, estamos abertos a isso, mas não aceitaremos medidas abusivas”.

Quanto a quando o futebol pode ser retomado em Portugal, Evangelista admite que há uma chance de a temporada atual não ser completada. “Eu estava mais optimista; agora estou mais pessimista. Inicialmente acreditava que em maio poderíamos estar competindo novamente, mas depois de ouvir os especialistas em saúde estou mais preocupado e acho que esta temporada está em risco.

“Espero que o futebol esteja de volta o mais rápido possível. O futebol é fundamental para a saúde mental do povo português”. É uma fuga fabulosa e uma terapia eficaz”.

“Todos queremos recomeçar e voltar à normalidade o mais rápido possível, mas isso só acontecerá quando o governo e as autoridades sanitárias derem luz verde. Não queremos criar expectativas sobre o recomeço e depois desiludir as pessoas”.

Comentários - 0

Deixar um Comentario